Responsabilidade Social – Fabel

Responsabilidade Social

Monitoria

A Monitoria tem o compromisso de desenvolver a autonomia e a formação integral dos acadêmicos e estimular a interação entre eles e os professores. Esta atividade busca proporcionar ao acadêmico monitor, os sensos de responsabilidade e cooperação, a satisfação em ampliar conhecimentos e o empenho nas atividades acadêmicas. O exercício da monitoria representa uma oportunidade para os acadêmicos vivenciarem a importância da ética, da renovação e do empreendimento na própria formação, seja como pesquisador ou futuro profissional do mercado.

Objetivos

  • Propiciar ao acadêmico dos cursos de graduação oportunidades de desenvolver suas habilidades para a carreira docente, nas funções de ensino, pesquisa e extensão;
  • Assegurar cooperação didática ao corpo docente e discente nas funções da faculdade.
  • Aprimorar e ampliar os conhecimentos dentro da disciplina em que estiver ligado o monitor.
  • Preparação do futuro docente e pesquisador, a fim de renovar e aperfeiçoar continuamente o quadro de professores do ensino superior.
O Processo Seletivo de Monitoria consta de duas fases classificatórias, uma fase escrita e outra didática.
O prazo de duração é de 06 meses prorrogáveis por mais seis meses.

Projetos

Áudio

A Faculdade de Belém (FABEL), ao definir os termos da sua política para o ensino superior toma como ponto de partida a compreensão de que o acadêmico é o sujeito de seu processo educativo, em vista de que educar é, antes de tudo, educar-se.

A FABEL, como co-responsável nesse processo de formação deve proporcionar as condições e os requisitos essenciais para que os acadêmicos possam construir seu projeto de vida e serem artífices da sua própria história.

A formação de acadêmicos de natureza reflexiva, empreendedora, consciente e integrada à sua realidade histórico-social, requer investimentos da instituição de ensino superior (IES) em duas áreas principais: a) na promoção de atividades de ensino integradas à pesquisa e extensão, permitindo uma forte relação teórica e prática e b) em tecnologia educacional que garanta um processo de ensino-aprendizagem de qualidade, afinal, são os conhecimentos adquiridos com o ensino, as bases de sustentação dos outros membros da tríade.

O Projeto da Áudio-Biblioteca é um investimento da Faculdade de Belém em tecnologia educacional, pois traz uma inovação para aprimorar o processo de ensino-aprendizagem: o recurso auditivo.

No ensino tradicional, os recursos visuais predominam, afinal, os avanços tecnológicos, como o “data-show”, têm sido fantásticos nesse aspecto. Entretanto, é importante ressaltar que a aprendizagem não ocorre apenas pela visão. Uma perda auditiva moderada é suficiente para dificultar a aprendizagem, ratificando, assim, a importância desse sentido na absorção do conhecimento.

Com o projeto Áudio-Biblioteca os acadêmicos terão à sua disposição textos e livros gravados das mais diversas temáticas, desde aqueles voltados para as áreas de conhecimento específicas de cada curso, passando por leituras que permitirão ao estudante construir uma visão inter e transdisciplinar do conhecimento. Esse recurso permitirá, ainda, a utilização de outras tecnologias a favor da aprendizagem, já que o acadêmico pode ouvir as gravações em qualquer lugar que esteja.

Por outro lado, o Projeto Áudio-Biblioteca é uma iniciativa de inclusão social da Faculdade de Belém, pois permitirá a utilização da biblioteca pelos portadores de necessidades educacionais especiais: cegos.

Enfim, com esse projeto, a FABEL procura promover um ensino de qualidade com inclusão social.

Objetivo Geral: Compor uma áudio-biblioteca com textos e livros gravados sobre diversas temáticas.

Cartilha Constitucional

O projeto CARTILHA CONSTITUCIONAL foi desenvolvido de acordo com a necessidade para contribuição na preparação da verdadeira cidadania. Este projeto busca a realização de uma das finalidades da educação nacional, como forma de transformação social, ou seja, a democratização dos conhecimentos científicos e outros de nosso cotidiano social, que é foco central da Constituição Federal.

Significa dizermos, de modo bastante amplo, que a FABEL – FACULDADE DE BELÉM entende que o estudo da Constituição Federal possibilitará uma articulação de ações de desenvolvimento intelectual-reflexivo com vista ao desenvolvimento e sustentabilidade política, social, econômica, ambiental e cultural.

Para o alcance desse desiderato, o projeto CARTILHA CONSTITUCIONAL desenvolvido pela FABEL propõe como pressuposto essencial que o estudo dos direitos e deveres fundamentais da pessoa humana, presentes na Constituição Federal, no contexto de seus princípios e objetivos estruturantes, seja ministrado como conteúdo da matriz curricular no nosso ensino fundamental e médio, incluindo o tema através da Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei 9.394/96).

Nesse sentido, defende-se que aos ensinamentos basilares da Constituição Federal devem ser inseridos desde as fases iniciais do sistema educacional em razão de sua interação com o desenvolvimento da aprendizagem, da autonomia intelectual, do pensamento crítico e da formação ética do educando, tudo pela democratização do ensino e pelo aprimoramento individual e social.

O projeto visa transmitir aos educandos os conhecimentos e os princípios basilares da interdisciplinaridade e da transdisciplinaridade da Constituição Brasileira e o enfoque da educação ambiental, possibilitando suas assimilações em práticas de cidadania através do saber-ser, saber-fazer e do saber-participar.

O conhecimento dos princípios básicos constitucionais e a educação ambiental farão abordagens gerais sobre os direitos e garantias individuais e coletivas, a biodiversidade, o desenvolvimento sustentável, a economia e a política, de modo a desenvolver a capacidade dos educandos em entender, compreender e agir sobre o meio social, político, econômico e ambiental onde estão inseridos.

Todos os temas a serem abordados irão se utilizar de instrumentos didático-pedagógicos, necessários e suficientemente adaptados à realidade do público-alvo, conforme os programas escolares e as disciplinas das referidas escolas da rede Municipal de ensino, atendendo as especificações do Ministério da Educação, contidos na Lei de Diretrizes e Bases da Educação – Lei 9.394/1996.

Veja a Cartilha Constitucional

Combú

O presente projeto surgiu a partir das necessidades detectadas no Relatório Socioeconômico e Diagnóstico Local, realizado por um grupo de estudantes do Curso de Administração de Empresas com Ênfase em Gestão Pública no ano de 2005, o qual foi apresentado aos moradores de uma comunidade na ilha do Combú, no auditório da Faculdade de Belém (FABEL).

Apesar de se constatar inúmeras problemáticas e ou dificuldades que impedem o desenvolvimento da comunidade, salienta-se as condições de higiene básica. Por essa razão, o primeiro projeto desenvolvido a partir do diagnóstico local, denominado “ÁGUA LIMPA PARA TODOS”, priorizou o fornecimento de água potável. A água foi considerada prioridade, porque muitos moradores viajam até Belém em busca de água potável. Além disso, no único posto de saúde, a água utilizada para qualquer tipo de atendimento é a do rio.

O Projeto “ÁGUA LIMPA PARA TODOS” tem como objetivo principal, ofertar água de qualidade, para os moradores ribeirinhos que vivem em uma comunidade da Ilha do Combú, denominada Beira Rio, localizada de frente para Belém. Nesta comunidade foi encontrado o maior índice de crianças com doenças causadas pela água contaminada do rio.

Este projeto foi apresentado no dia 14 de fevereiro de 2007, pelo acadêmico de Administração Guilherme de La Rocque, da turma 5ADN1, ao Diretor Geral da Faculdade de Belém, Prof. Ivan Guilherme de La Rocque Pinho, o qual encaminhou para o Núcleo de Apoio à Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação, sob a coordenação da Prof. Danielle Graim Cardoso para implantação do projeto. A coordenação do NAPE designou a docente Maria do Socorro Macedo Reis para a orientação do projeto.

O primeiro passo de implantação do projeto foi a visita à comunidade da Ilha do Combú, realizada no dia 17 de março de 2007, para a apresentação do projeto. Neste encontro, estavam presentes os representantes das cinco comunidades da ilha – Combú, Beira Rio, Furo do Combú, Piriquitaquara, Sebastião Benedito, Furo da Paciência e proprietária do restaurante Saudosa Maloca. Após a apresentação do projeto e exposição dos presentes, ficou marcado para o dia 28/04/07 a partir das 09 horas, a 1° ação estratégica do projeto com a sensibilização, cadastro das famílias e a entrega das primeiras máquinas.

No dia 28 de abril de 2007, às 09 horas ocorreu a 1° ação estratégica do projeto. Participaram dessa ação, a Diretoria Geral da Faculdade de Belém – Prof. Ivan Guilherme de La Rocque Pinho, a coordenação do NAPE (Núcleo de Apoio à Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação) – Danielle Graim Cardoso; coordenação de Administração – Karla Dezincourt; orientadora do projeto – Profa. Maria do Socorro Macedo Reis; o autor do projeto – Guilherme de La Rocque e acadêmicos de todos os semestres do curso de Administração.

A ação começou com o cadastro das famílias da comunidade Beira Rio. Posteriormente, foram realizadas duas palestras de sensibilização com os seguintes temas: 1) A importância da preservação dos rios, realizada pelo acadêmico de Administração Emanoel e 2) Água e qualidade de vida, realizada pela acadêmica, Maria das Graças. Em seguida, foi feito a entrega das máquinas às famílias. Foram entregues duas máquinas, as quais têm a capacidade de fornecer água potável para 10 famílias da comunidade Beira Rio. Para finalizar, foram sorteados quites com camisas e bonés, para as famílias cadastradas.

As máquinas foram instaladas nas proximidades das casas das famílias beneficiadas, por técnicos da TOP LINE, que também deram informações e fizeram demonstrações da utilização do sistema ribeirinho de água potável.

Essa foi apenas a 1° ação de um projeto que pretende beneficiar os moradores da comunidade Beira Rio da Ilha do Combú com água potável e, principalmente, com qualidade de vida.

Inclusão Digital

Considerando a expressiva marginalidade digital, que ocorre principalmente nas cidades da região norte do país, em 2005, o Fundo Ver-O-Sol (Prefeitura Municipal de Belém) elaborou o Projeto de Inclusão Digital, viabilizado por meio de parcerias com Instituições de Ensino Superior de Belém, tentando minimizar em até 30% a parcela da população economicamente ativa e excluída dos meios tecnológicos.

A Faculdade de Belém – FABEL, em parceria com a Prefeitura Municipal de Belém, realiza o projeto de inclusão digital Ver-O-Sol, oferecendo aos jovens e adultos da comunidade, gratuitamente, cursos profissionalizantes na área de Informática por meio de dois módulos: básico e o avançado. Os jovens recebem aulas no laboratório da Faculdade de Belém com monitoria capacitada e ofertada pela IES. O objetivo maior do projeto é a inclusão social por meio da inclusão digital, capacitando, assim, jovens no afã de que estejam melhor qualificados para o mercado de trabalho.

Segundo a Coordenação do projeto na Prefeitura Municipal de Belém, o acesso e aprendizado de noções de informática básica, inicialmente ofertado à população de Belém, superaram todas as expectativas e, já evoluiram, por clamor da população, para um segundo módulo do curso – o Módulo Avançado, onde aqueles que concluíram o Módulo Básico têm a oportunidade de aprofundar seus conhecimentos ganhando maiores habilidades no campo da informática.

O curso, de carga horária de 20 horas é totalmente gratuito para a população, incluindo o material didático. Atende pessoas de 10 a 80 anos. A matrícula dos participantes é feita por meio de indicação de associações civis organizadas, ou por demanda espontânea das pessoas que procuram diariamente o Fundo Ver-O-Sol na Prefeitura Municipal de Belém.

Ler é saber

O projeto Ler é Saber é uma ação interventiva da Faculdade de Belém (FABEL) no desenvolvimento das habilidades cognitivas e lingüísticas de seus acadêmicos. A FABEL, enquanto instituição que educa, reconhece os aspectos deficitários do processo seriado (desde o Ensino Fundamental) no que diz respeito a incentivo à prática de leitura. Entende-se aqui como leitura não somente o processo limitado de alfabetização ou a decodificação mecânica de representações gráficas, em que o indivíduo lê para “provar” que sabe ler, mas essencialmente um meio pelo qual o leitor, operando mentalmente, pode produzir sentidos e, conseqüentemente, construir categorias de compreensão da realidade, vivida a partir das informações dadas pelo livro lido.

Sabe-se e reconhece-se os aspectos positivos das práticas escolares de leitura, já que a leitura de textos nunca deixou de estar presente na escola, em qualquer das disciplinas nela ministradas, todavia, é preciso perceber a legitimidade para a leitura nessas práticas escolares. As diversas formas do leitor se relacionar com o texto oferecem uma espécie de tipologia dessas relações que inspiram diferentes práticas de leitura na escola.

Pode-se, por exemplo, ler um texto em busca de respostas ou perguntas prontas e acabadas. Trata-se de perguntar ao texto, chamar-se-ia para tal prática de leitura-busca-de-informação, nesse sentido, raramente a leitura responde a uma necessidade do educando. Ao contrário disto, os textos selecionados independem dessa necessidade, pois servem apenas a uma tradição escolar para suprir o conteúdo a ser visto em sala de aula e cumprido na escola. É claro que qualquer que seja o exemplo dessa relação com o texto, o leitor sairá de alguma maneira, enriquecido de informações, mesmo que seja um enriquecimento apenas do ponto de vista de conteúdos subordinados a um programa curricular.

Porém, a relação entre leitor e texto que se quer alcançar nesse projeto é aquela que entende a prática da leitura como atitude produtiva: o leitor não só apreende o conteúdo lido, mas também o compreende, e ao compreendê-lo, aplica imediatamente à sua história de vida, construindo assim um novo conteúdo. Nessa perspectiva de leitura, o leitor sairá de sua relação com o texto, verdadeiramente modificado. Isto porque adere aos pontos de vista com quem compreende o mundo, ou porque modifica tais pontos de vista em face do diálogo mantido através do texto lido.

A conseqüência de tal prática resume-se em poucas palavras: O leitor, ao ler, saber. Ao saber, ler. Porque Ler é Saber! Pode-se, por exemplo, ler um texto em busca de respostas ou perguntas prontas e acabadas. Trata-se de perguntar ao texto, chamar-se-ia para tal prática de leitura-busca-de-informação, nesse sentido, raramente a leitura responde a uma necessidade do educando, ao contrário, os textos selecionados independem dessa necessidade, pois servem apenas a uma tradição escolar para suprir o conteúdo a ser visto em sala de aula e cumprido na Escola. É claro que qualquer que seja o exemplo dessa relação com o texto, o leitor sairá de alguma maneira, enriquecido de informações, mesmo que seja um enriquecimento apenas do ponto de vista de conteúdos subordinados a um programa curricular.

Porém, a relação entre leitor e texto que se quer alcançar nesse projeto é aquela que entende a prática da leitura como atitude produtiva: o leitor não só apreende o conteúdo lido, mas também o compreende, e ao compreendê-lo, aplica imediatamente à sua história de vida, construindo assim um novo conteúdo. Nessa perspectiva de leitura o leitor sairá de sua relação com o texto, verdadeiramente modificado. Ou porque adere aos pontos de vista com quer compreende o mundo, ou porque modifica tais pontos de vista em face do diálogo mantido através do texto lido. A conseqüência de tal prática resume-se em poucas palavras: O leitor, ao ler, sabe. Ao saber, ler. Porque Ler é Saber!

Ler é saber online - Nivelamento

Considerações iniciais

A Fabel frequentemente recebe alunos bastante heterogêneos, não somente em relação à faixa etária, mas, sobretudo, quanto ao conhecimento adquirido no ensino médio, necessário às disciplinas, no que se refere ao desenvolvimento de competências e habilidades.

A revista Ensino Superior publicou uma reportagem, de Hélio Consolaro, intitulada: O Ensino do Português nas Universidades, a qual mereceu manchete sobre a situação do ensino do português no Brasil. Com subtítulo: Os estudantes só Descobrem a Necessidade de Reaprender a Língua na Universidade, sob a pressão das circunstâncias demonstra que a língua portuguesa é necessária para a produção dos discentes.

Uma pesquisa feita pelo Instituto Paulo Montenegro e pela Ação Indicativa compôs o 3º Indicador Nacional de Analfabetismo Funcional (INAF). Apenas 25% dos brasileiros, entre 15 e 64 anos, demonstram domínio pleno da compreensão de textos. Para 67%, a conquista da leitura se limita à localização de informações simples em enunciados de uma só frase, ou à capacidade de identificá-las em textos curtos. Enquanto 8% não conseguem sair do ponto de partida, ou seja, são mesmo analfabetos, o que compromete a cidadania brasileira

Dessa forma, os 67% portadores do analfabetismo funcional representam uma questão muito séria do processo educacional: alfabetizar apenas não basta, a escola precisa leiturizar o educando, fazer que ele também produza textos. Como assevera Flávio Montenegro, secretário executivo do instituto: A alfabetização básica não dá o mínimo necessário para a pessoa continuar o desenvolvimento. […] Queremos chamar a atenção para a importância de a população dominar a leitura e a escrita”.

Baseando-se nos dados apresentados, a Faculdade de Belém – FABEL – resolveu atender aos indicativo dos relatórios do projeto Ler é Saber, que em sua maioria, demonstram inadequações linguísticas dos acadêmicos ingressantes. Por conseguinte, criou-se o Projeto Ler é Saber on-line/ Nivelamento, que tem como proposta o melhor aproveitamento dos alunos, desenvolvendo habilidades em leitura, interpretação, análise e produção de textos, relação de texto e sentido, atualização de tópicos gramaticais, através de um trabalho integrado, contínuo e interdisciplinar, empregando além das metodologias já utilizadas no Projeto Ler é Saber, o contato com a nova forma de ensino e aprendizagem, Educação a Distância (EAD), de maneira a contribuir com a mudança de postura dos acadêmicos, no que se refere à auto-aprendizagem, bem como minimizar os níveis de evasão acadêmica, resultante, muitas vezes, devido a falta de conhecimento lingüístico dos discentes.

Por esse viés, entendemos que o Projeto Ler é Saber on-line/ Nivelamento não irá solucionar todos os problemas. Porém, ao fornecermos ferramentas aos acadêmicos, demonstramos que sensibilizamo-nos com todas as dificuldades de aprendizagem apresentadas e criamos laços de identidade com o ingressante que sentirá partícipe ativo do meio universitário ao enxergar a instituição envolvida com as deficiências que ele carrega e principalmente contribuir na formação de um leitor que reconhece os diferentes sentidos que a leitura oportuniza, dimensiona e transforma o ser humano.

Objetivo Geral

Reconhecer os princípios básicos da norma culta, desenvolvendo habilidades de leitura, escrita, oralidade e produção de textos coesos e coerentes, notando a necessidade do estudo da Língua Portuguesa para a academia, e para a própria vida.

Objetivos Específicos

  • Proporcionar um aumento qualitativo no conhecimento do aluno em relação aos princípios básicos da Língua Portuguesa;
  • Desenvolver as habilidades em leitura, oralidade, escrita e interpretação de texto;
  • Ampliar o prazer pela leitura, oralidade, escrita e produção textual;
  • Atender as deficiências de escrita:
  • Dar suporte de Língua Portuguesa necessária na academia;
  • Apreciar diversos tipos de textos por meio de um trabalho integrado e interdisciplinar;
  • Provocar uma modificação da atitude do aluno em relação ao processo de ensino e aprendizagem, isto é, a auto-aprendizagem;
  • Propiciar ao aluno contato com uma nova forma de aprendizagem – Educação a Distância;
  • Proporcionar interatividade entre docente e alunos nesse processo de ensino e aprendizagem.

Conteúdos

Inicialmente, dividimos o conteúdo em quatro grandes temas: Leitura, Aspectos gramaticais, Morfossintaxe e Produção de textos.
Abordaremos o conteúdo Leitura, com textos informativos de diferentes áreas, semanalmente disponibilizados no site.

Em Aspectos Gramaticais, abordaremos: Apreensão e compreensão de sentido; Acentuação gráfica; Emprego dos porquês; Crase e Regência. Capacitando o aluno a usar sua atividade verbal de modo adequado ao local, à situação e ao momento em que se realiza.

Em Morfossintaxe, estudaremos principalmente Classes de palavras variáveis; Emprego dos pronomes pessoais, de tratamento e relativos; Verbo; As relações das conjunções coordenativas; Principais relações subordinativas; e Sintaxe de concordância nominal, verbal, regência verbal e colocação pronominal. Concatenado com Wagner (2008), sempre que possível, devemos proporcionar aos alunos o domínio das estruturas morfossintáticas do português e desenvolver a habilidade de observação e análise das estruturas e processos linguísticos. Muitas vezes o ingressante não estrutura corretamente um parágrafo, porque não aprendeu as relações sintático-semânticas que são fornecidas pelos pronomes e conjunções – elementos coesivos de um texto.

Na Produção de textos, veremos: Ampliação de frases; Vícios de linguagem; Produção de textos de modalidade acadêmica; O texto argumentativo; Tipos de dissertação; e Coesão e Coerência. Precisamos desenvolver no aluno a habilidade para a comunicação e expressão em termos de recepção e produção adequada de textos; isso só será possível se o discente produzir textos prazerosos e diversificados, indicando-lhes os elementos estruturais de diferentes modalidades textuais, evitando os vícios de linguagem, sendo capaz de produzir textos corretos e concisos, com coesão e coerência.

Metodologia

Primeiramente, será desenvolvida uma avaliação diagnóstica quanto ao nível de leitura, escrita, produção textual, aspectos gramaticais.
As atividades no decorrer do curso deverão valorizar habilidades e competências necessárias para melhorar o desempenho dos estudantes durante a graduação referente à leitura e produção de textos. O curso será oferecido em 40(quarenta) horas/aulas. O programa disponibilizará material didático dos cursos, por meio do acesso ao site:www.fabelnet.com. As temáticas serão abordadas por meio do Ambiente Virtual de Aprendizagem, visto que o curso será, em sua maioria, a distância, tendo apenas uma vez por semana atendimento presencial no Núcleo do Projeto ler é Saber on-line / Nivelamento para esclarecimento de dúvidas. O modelo de ensino a distância via Internet levou em consideração os seguintes aspectos: a dificuldade de horários para a realização dos referidos cursos, por parte dos discentes; a possibilidade de padronização do conteúdo e do desenvolvimento do curso.
Dessa forma, a Fabel, com o Projeto Ler é Saber on-line / Nivelamento, oportuniza aos seus novos acadêmicos uma nova maneira de produção de conhecimento, por meio de diferentes textos, vídeos, músicas, história em quadrinhos, tiras e diferentes modalidades textuais atuais para uma melhor compreensão do uso preciso da linguagem.

Avaliação

Como ponto forte do Projeto Ler é Saber on-line / Nivelamento, propomos uma avaliação diagnóstica, por meio de uma produção textual, abordando assuntos referentes à importância da comunicação.

Mediante essa avaliação, o aluno verificará a real necessidade, de participar do referido Projeto. A avaliação ocorrerá contínua e permanentemente, considerando fundamentalmente sua efetiva participação nas atividades propostas. As participações dos acadêmicos no Projeto poderão ser aproveitadas como atividades complementares e como parte da nota que comporá as avaliações referentes à 2NPC, valendo 1,0(um) para todas as disciplinas.

No final do curso haverá uma avaliação com dez questões referentes aos conteúdos estudados. Ao finalizar todas as etapas do curso, será informado as coordenações de curso a participação do discente para lançamento de notas, assim como, será entregue certificado de participação com total de 40h, encaminhando-o ao registro de atividades complementares.

Considerações Finais

A nossa experiência em sala de aula confirma que o conteúdo escolhido para o Projeto Ler é Saber on-line / Nivelamento representa a essência da norma culta padrão e dissimilará quaisquer dúvidas que porventura surgirem no desenrolar do curso. Temos a convicção de que, após a avaliação diagnóstica, os alunos reconhecerão suas limitações e receberão bem a oportunidade de melhorar seus conhecimentos através da oferta de curso a distância, na disciplina de Língua Portuguesa. O Projeto passará a ser um instrumento de aferição dos conhecimentos inicialmente trazidos pelo aluno ingressante e daqueles que ele adquirirá após o curso. O Projeto também passará a ser um dos principais instrumentos de pré-capacitação ao aprendizado universitário. Os alunos passarão a vincular os ensinamentos ministrados no projeto com as aplicações explanadas nas disciplinas de graduação, melhorando o aprendizado dos conceitos dados em sala de aula. O aluno passará a acreditar mais em si e no seu potencial. O diferencial de sucesso do Projeto Ler é Saber on-line /Nivelamento da Faculdade de Belém – FABEL será obtido não apenas com recursos tecnológicos, mas graças a fatores gerenciais estabelecidos por um grupo coeso e comprometido com essa experiência inovadora.

Informações
Prof. Bruno Cavalcante: leresaber@fabelnet.com.br

Projeto Autismo Didático Pedagógico

O objetivo da pesquisa sobre o autismo é demonstrar que se trata de uma patologia psíquica e comportamental e que, o autista não deve ser considerado incapaz para todos os atos da vida civil.

Equipe Interdisciplinar, liderada pelo Presidente do Conselho Mantenedor da FABEL, Prof. Dr. Ivan Guilherme La Rocque, inicia Projeto de Pesquisa que tem como objeto de estudo o Autismo.

O Autismo é uma alteração que afeta a capacidade de comunicação do indivíduo, de socialização e de comportamento no que se refere a responder apropriadamente ao ambiente e seus estímulos. A pesquisa da FABEL tem como alvo conhecer as limitações da patologia e derrubar mitos, como o que afirma que o autista “vive em seu mundo próprio”. O projeto de pesquisa marca o dia mundial de conscientização do autismo (02 de abril). A doença não tem cura e dependendo do grau, o portador pode ter uma vida normal. Por isso, a FABEL quebra barreiras, utilizando a mais importante arma contra o preconceito: a informação. E é com base na informação que a Faculdade de Belém, através de pesquisas, quer provar que DEFICIÊNCIA não é INCAPACIDADE como define a lei 12.764/2012. A equipe interdisciplinar é formada pelos componentes: Dr. Ivan Guilherme La Rocque, Mestres Ana Cláudia Boadana e Mário Brito, professoras especialistas Andreza Matos e Isabela Santana.